Indicação da Preservação da Fertilidade em Pessoas com Câncer de Tireóide com Indicação de Iodoterapia

A preservação da fertilidade é uma preocupação antiga em jovens que precisam de tratamento radioativo. A terapia com I¹³¹ (iodo radioativo) tem sido utilizada com boa segurança. Tendo em vista a faixa de maior incidência de câncer de tireoide atingir a idade fértil, deve-se avaliar a indicação e o potencial benefício das medidas de preservação reprodutiva, em pacientes que serão submetidos à iodoterapia.

Nos vários estudos encontrados, I¹³¹ não parece prejudicar a fertilidade de mulheres em idades mais jovens. O risco de efeitos a longo prazo em crianças e adolescentes tratados para carcinoma diferenciado da tireoide é muito baixo, e segundo esse estudo iodoterapia pode ser utilizada com segurança. Dados sugerem uma redução transitória na fertilidade masculina e feminina, de 2 a 6 meses após I¹³¹, e raramente ultrapassando 18 meses, sendo mais associada à idade do que à dose. Ausência de ciclos menstruais no primeiro ano e menopausa mais cedo ocorreram, particularmente em pacientes mais velhas. Não houve nenhuma falência ovariana permanente. Dados atuais sugerem que o risco de infertilidade em doses padrão de terapia com I¹³¹ é extremamente baixa. A terapia em pacientes do sexo masculino e feminino não afetou significativamente as taxas de gravidez e não aumentou anormalidades congênitas. Evitar concepção 6-12 meses pós I¹³¹ é recomendado para ambos os sexos.

Eveline Catão – Aluna da Pós-Graduação do Instituto GERA

Ficou com alguma dúvida?

Escolha o médico mais próximo de você e envie a sua pergunta ao especialista.